sexta-feira, 3 de maio de 2013



Você por acaso sabe como eu estou me sentindo? Parou pra pensar pelo menos os meus motivos por eu estar assim? Por eu ser assim? Já parou pra pensar que você poderia ter perguntado o porque de tudo isso? Já pensou em tentar parar de enxergar o meu orgulho o meu egoísmo e já olhou pra si própria? Já parou pra pensar que por mais que seja eu a que esteja causando todo esse alvoroço, eu tenho a merda de um coração aqui dentro e que do mesmo jeito que o seu, o meu também dói e machuca? Que por trás dessa pessoa fria que sou, tem uma pessoa amável e que só tem vontade de viver e ser feliz? Aproveitar a vida no máximo possível? Não, você não sabe de nada disso. Você não se preocupa por isso. Eu sempre tentei ser a melhor filha possível, sempre tentei, mas nunca consegui, e sabe o porque? Porque você me compara, me compara a uma pessoa que não é digna nem disso e isso me deixa enfurecida, me deixa puta mesmo, porque eu vi tudo o que ele fez pra você, vi o que você já passou com ele e o tanto que sofreu, então por favor, não me compare a ele. Só tenta me entender, eu quero a MINHA vida, quero seguir em frente, quero ter  responsabilidades! Você me criou como uma princesa, sim, criou, agradeço por isso, só que querendo ou não, pode parecer mentira, mas realmente não  gosto disso. Não quero mais uma vida assim, quero sim ter que lavar a louça, mesmo sabendo que minha alergia vai atacar e meus dedos ficarão na carne viva, quero ter que sair pra trabalhar de manha e voltar a noite, quero ter que fazer as comprar no mercado e pagar contas. Só que eu sei que aqui eu nunca vou conseguir, porque infelizmente sou acostumada com essa comodidade desde pequena. Aqui eu não vou mudar. Eu sei.
Só fica a minha pergunta aqui: Já parou pra pensar nisso?
Eu não sei como tirar essa angustia, essa magoa, essa dor que está dentro de mim. Sinto que tem algo apertando meu coração, minha cabeça parece que vai explodir, meu corpo parece tão cansado como o de alguém que tenha corrido três dias seguidos sem parar para beber água. Não sei de onde vem tanta lágrima assim, daria para matar a sede de alguma pessoa. Quando parece que minhas lágrimas estão secando, sinto uma necessidade tão grande de beber água que fica uma frase meio assim: "um copo de água depõe uma hora de lágrimas caindo".
Tenho me sentido tão sozinha, mesmo sabendo que não estou. Não está fácil, dói mais do que nunca. Esse vazio dentro de mim é algo tão atordoante que faz-me sentir perdida em meio a tantas pessoas. Não que antes disso não me sentia perdida com tanta futilidade a solta, porém, agora é tudo diferente. Quando é algo nosso, é mais difícil de acreditar que aquilo está acontecendo, que você realmente está sentindo tudo aquilo! E ai se da conta de que tais sentimentos são mesmos "sentiveis", que realmente existe, que é possível sentir. E que se você sente, existe outras pessoas que sentem também. Eu não sei nem como escrever isso. Mas nem chorar todo o tempo agora está amenizando tudo o que estou sentindo, agora o que eu tento escrever, porque nem falar não dá.

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Pra nós, todo amor do mundo.


Eu não sei porque eu sinto essa necessidade tão grande de dizer todo tempo o quanto eu te amo, o quanto eu me sinto bem quando estou com você e quando não estou também, pois sei que mesmo você estando longe, você está aqui comigo, dentro do meu coração. Você me faz tão feliz! Esse seu sorriso lindo, o jeito que sorri quando está comigo. Quem diria que no meio de tanta gente, eu iria encontrar alguém como você, alguém que realmente vale a pena! No meio de tanta gente empáfia, você estava lá tão diferente dos outros, tão igual a mim, tão... Hoje vejo a riqueza do nosso amor, a essência de tudo isso. Quero fazer uso da vaidade, que é só pra exaltar a graça do meu sorriso quando o motivo é você. Quero nunca deixar de encantá-lo, quero cada dia surgir com alguma coisa minha que te faça feliz, mas nada novo, apenas o que eu sou de verdade. Me deixa ser só sua e não me deixa ser de mais ninguém. Me deixa ser quente em dias de sol e gelada em dias de inverno, ou me deixa ser gelada em dias quentes e quente em dias de inverno. Com tudo isso, só quero que saiba que tudo isso é muito mágico pra mim. E então você me surpreende, me fazendo sentir a garota mais linda do mundo, mesmo não sendo, com o cabelo todo desarrumado, vestindo sua samba-canção e camisa de dormir. Mais uma vez estou escrevendo sobre você, um cara que talvez eu nem conheça, mas que tenho muito orgulho por estar tentando. Talvez o mais engraçado com quem eu já estive e que me faz rir verdadeiramente, como quando me fez descobrir que eu sequer sei dar um chute. E me lembrei do começo desastroso que tivemos e de como você nunca mais saiu da minha cabeça depois disso. E então meu sorriso se tornou uma coisa permanente em mim. Eu te considero um pedacinho do céu. Posso te definir e decifrar com milhões de detalhes, ou apenas com sorriso. Gosto disso de voarmos e gosto mais ainda de quando fala que vamos voar juntos. Tenho aprendido muita coisa com você e me descoberto como uma pessoa melhor, agradeço por ter te encontrado e mais que isso, agradeço por naquela noite ter sido você e por ter continuado sendo você desde então. E te olho mesmo. Te olho dormindo, comendo e até o seu jeito de caminhar. Te olho intensamente, seus olhos brilham e eu quase posso ver um sorriso. Gosto tanto de olhar você, sem te entender e te cobrar qualquer coisa, que eu acabo te amando. E você desse jeito torto, me ama de volta de um jeito que ninguém me amou.
Melhor é seguir por cima das tempestades, mas o melhor ainda é o seu abraço depois de todas as tempestades. Quero você em um poema, quero você numa canção. Quero sentir o cheirinho da sua alma, quero um beijo na testa e um toque no coração. Vou ficando por aqui, apenas te agradecendo por tudo. Agradecendo por estar do meu lado, por cuidar de mim, por ser quem eu preciso. 

Barco à vela.



Quero realizar meus sonhos, conhecer o mundo, viajar pelas pessoas, escrever minhas histórias e mudar o tom do cabelo sempre que for preciso. Quero carinho na hora de dormir e briguinhas por ciúmes ou pelo almoço ruim. Quero ter filhos, precisamente um menino e uma menina, quero ter uma casa, um cachorro, um jardim. Quero levantar mais cedo que todos de casa, preparar aquele café da manha e acordar as crianças com um beijo e logo usufruir de todo o amor da minha família. Rir e brigar com meus filhos. Ter motivos todos os dias para brigar e ter o dobro de motivos para sorrir. Quero colocar as crianças na cama e ir amar o meu amor, toda noite, todo o tempo possível.
Eu entro nesse barco, nem precisa me pedir muito, não precisa ter o jeito certo, apenas me peça que eu vou. Viajar muito, viajar dentro do nosso eu. 

terça-feira, 2 de abril de 2013

Carnaval.


Luzes, músicas, risos, brilho, danças...
Esse era nosso carnaval, pura alquimia.
Nosso carnaval era coberto de fantasia e embalado por tremendos desejos guardados apenas para nós mesmos. Bebíamos para que pudéssemos nos soltar, soltar aquela timidez que nos prendia de dançar e tirar aquela vergonha. Era o único modo, para alguns... E além de tudo, bebíamos para esquecer, esquecer pessoas e momentos passados.
E quem diria no meio daquela multidão de pessoas, meu olhar se cruzou com o seu e dentro de mim eu me perdia, me perdia tentando imaginar o que se passava dentro de você, foi o melhor momento daquela noite, de todas as noites!
Era algo engraçado porque a partir daquele momento que você passou por mim e me olhou no fundo dos olhos, e me vi em você e tenho certeza absoluta que você se viu em mim! Foi contagiante! Até senti que já tinha passado por aquilo, aqueles momentos clichês que você cria na sua cabeça. Como aquela cena clichê que tem em todos os filmes românticos, que eles esbarram e derrubam os livros e os dois se abaixam juntos parar pegar, ele segura “sem querer” na mão dela e se olham no fundo dos olhos e logo se apaixonam.
E depois de tudo aquilo, eles viviam momentos lindos e felizes, sem defeitos, sem contradições...




Só que não é assim, a nossa história é totalmente o contrário disso.  

terça-feira, 12 de março de 2013


Amor, hoje eu vim aqui dizer que te quero, te quero mais do que imaginava, mais do que pensava que isso tudo 
ia dar.

Vim aqui lhe falar um pouco do muito que sinto.

Pouco poder imaginar tudo, porém, você já se tornou mais do que muito pra mim.

Você é o que eu tanto preciso, é o que eu quero, é o que eu necessito.

É a saudade que sinto transbordando meu peito, ora essa saudade é boa, ora ela é ruim e me sufoca, de tão grande que é; quero te ter comigo todo momento, todo o tempo, quero você pra mim, sem mais nem menos, quero gostar, quero te chamar de meu, quero ser com você o que eu não fui com ninguém.

Quero te mostrar o tanto que sou e o que posso ser com você, nas coisas boas e nas coisas ruins.   

sexta-feira, 8 de março de 2013

Castelo de cartas


São cinco da manha, eu acabo de acordar de um sonho embaraçoso, tudo por conta dos meus pensamentos embolados e mal embaralhados.

No nosso baralho somos as duas cartas mais valiosas que tem! Um jogo jogado por nós!

E o jogo está apenas começando, ainda estamos tirando da caixinha todas as cartas. Somos o baralho, que a cada carta é um pedaço de nós, cada carta é uma história a se contar, é um pedaço de vida, um pedaço da nossa vida que se junta ao ser descartada do baralho - vale lembrar que as cartas descartadas, elas sempre voltam para o monte de baralho para que assim, dure o tempo necessário para que seja algo inesquecível – se junta, para que eu e você possamos viver a história que merecemos: o começo, o meio e o fim que nós mesmos iremos colocar no nosso futuro, naquela batalha cravada aonde há apenas eu e você jogando.

Aonde tudo é e depende de nós mesmos.

Não irei escrever sobre sua perda, sobre como será, como seria ou como deve ser, pois o jogo mal começou e já estamos pensando nisso? Não, não é assim que a banda toca. Não é assim que se começa um jogo, ou pra você é? Começa o jogo já descartando as cartas novas e boas, cartas de história e momentos que podem surgir pelo nosso longo caminho trilhado por mim, por nós? Não pode ser assim.
Temos que tirar isso da cabeça e continuar seguindo nosso caminho, de mãos dadas, apenas eu e você e nada mais importa.

Você pega três cartas e retira uma e coloca sobre a mesa, logo vemos sobre o que se trata, um pedaço mais ou menos assim:

 “Um vinho, dois.
Vinho de você, poesia de mim,
Enquanto me ensina a decifrar frases feitas, sem sentido,
Ensino-te a dançar como o mar.
E no silêncio daquilo, nadamos infinito mar,
no mar do amor pirata.” 

Um pequeno pedaço de uma grande história, que está apenas a começar, vamos viver  tudo, no nosso tempo, no tempo do nosso jogo... Devagarzinho, sem pressa de acabar e sem pressa de viver; calmo, aconchegante! Nada de sucumbir momentos. Vamos resistir, viver, sustentar, suportar, suster, escapar, subsistir, enfrentar, acarar, defrontar, animar, nascer, durar, manter, romper, aguentar, escorar, sofrer, residir, morar, habitar, existir, viver, manar, eclodir, perdurar, brotar, enfim, encontrei 53 formas de antônimo de sucumbir para apenas dizer: vamos seguir em frente, sem medo do que somos, não tentar ser “eu e você” e sim “nós”, sem pensar em perder e nem sucumbir nada.

E assim continua...

Uma dose de vinho, um pouco de dança,
amor
e mais uma carta na mesa!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Só sei dançar com você


Lembro-me como se fosse hoje... 
Depois daquela noite cheia de gente, caminhamos para aquele lugar só nosso... Com a sandália na mão, já cansada de andar, tinha meu braço por volta da sua cintura e seu braço por cima de meu ombro, e íamos rumo ao nosso recanto, cambaleando, cambaleávamos de tanto rir e das nossas brincadeiras, brincadeiras que eram apenas nossas. E quem diria, eu só sei dançar com você.
 Alguns momentos você corria na minha frente e me esperava lá longe, nesse momento meus pensamentos todos cheios de nós iam se desfazendo e eu ia vendo tudo o que eu queria; tudo o que eu queria bem na minha frente.

A luz da lua era a nossa única claridade para aquela noite e tudo ficava bem mais lindo com aquela brilhosa e requentada iluminação.  

Logo tínhamos chegado ao nosso ponto, ao nosso lugar tão esperado por toda aquela noite, que ia morrendo mais rápido quando estava contigo. O dia insistia em nascer bem mais rápido.  Aquele lugar gramado, perto do penhasco de frente para o mar e perto da nossa admiradora secreta, a nossa lua.  
Esticávamos um lençol no chão e deitávamos ali mesmo, enroladinhos em um só, para que pudéssemos nos sentir mais próximos um do outro.  E quem diria meu menino, eu só sei dançar com você.

Na na na na na na, cantávamos los hermanos embalando nosso fim de noite, passávamos as outras poucas horas que tínhamos conversando e cada passo que eu dava naquela nossa dança  eu sentia minha perna tremer de agonia, mas eu nunca sei rodar, não sei dois pra lá, nem dois pra cá, não sei valsar...  No embalo dos nossos sussurros  desgovernados, desafinados e mal elaborados íamos enchendo nosso peito de felicidade e carinho. E quem diria, eu só sei dançar com você.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013


Trato trocado, trato selado, trato do grande nada, nosso nada...
 aconchegante
desesperante
delirante
angustiante
brilhante
avante!

Descobrir seus mistérios devagarzinho
Assim como quem não quer nada
E ir guardando 
Em um bauzinho, 
Só 
Pra 
Mim.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A perda.


Eu tenho medo de perder assim como tenho de ganhar. Quando você ganha algo, sabe que isso será algo bom, só que sempre tem um final e todo mundo sabe que finais nunca são bons...

É algo rotativo sabe? É como se você jogar uma pedra, uma hora ou outra ela irá cair.

Mas como sempre, tem gente que insisti nisso... Insisti que não haverá e que o pra sempre existe, convenhamos claro, que sonhar nunca foi proibido a ninguém, mas sejamos racionais e realistas por alguns momentos... Pelo menos uma vez na vida, sonhar com coisas abstratas é uma coisa, sonhar com coisas superficiais é algo totalmente diferente. Ainda mais quando envolve outra pessoa nisso, outro ser humano. Seres humanos são monstros, (alguns) criados com mais inteligência e outros sem um pingo de inteligência.

Mas quando assunto é perder, tudo se torna algo extremamente cuidadoso. Perder algo próprio é uma dor que pode ser compartilhada, você pode contar a alguém, falar... Fazer o que for que te entenderão. É uma dor que você esquece que  pode ser compartilhada.

Agora se isso for sentimental, podem durar dias, semanas, mas pode nunca passar... Pior quando você ainda tem esperanças de não ter perdido esse algo/alguém e essa esperança acaba do nada, você sente como se tudo o que lutou até aquele momento fosse uma folha de papel, que você amassava e instantaneamente jogava na lixeira, é mais ou menos isso perder a esperanças...

  Ela demora tempos para ser conquistada e leva segundos para perdê-la.

E ai, você percebe que perdeu aquela pessoa que te segurou no braço e disse várias vezes que não ia te abandonar que não ia sumir; e ela vai sumindo, cada dia mais vai se afastando e você não pode fazer nada, apenas observar, porque você já fez tudo o que deveria ter feito.  Nem se quer pode dizer uma palavra, você só pode simplesmente observar. Com aquele grito guardado no peito, aquela montanha de sentimentos que vão te sufocando cada vez mais e mais e você já não têm outra saída e as únicas coisas que passam pela sua cabeça é a partida daquela pessoa e a vontade de arrancar do peito tudo aquilo. 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Aqueles momentos...


Sabe aquele momento que você vê a pessoa que você mais ama e a que mais te machuca e você não consegue sequer dizer uma palavra ou algo do tipo? Então...


Sabe aquele momento que tudo roda pela sua cabeça, momentos de lembranças; de dores, sofrimentos, alegrias, carinhos, abraços, beijos, lágrimas...

Sabe aquele momento em que você não se vê longe de uma pessoa, mas também não se vê mais perto dela? 

Aquele momento que longe ela faz falta e perto ela faz mal. 

Aquele momento que você ouve o nome dela e dentro de você, você sente seu coração pulsar mais forte, sua respiração ficar mais forte e sente uma lagrima cair de seus olhos.

Aquele momento que você se depara olhando para sua foto com ela e do nada percebe que está com um sorriso bobo dentre os lábios e seus olhos brilham, já com vontade de chorar.
Sabe aquele momento que você percebe que a falta que ela lhe faz é maior do que qualquer coisa que você pode imaginar? 
Você sente como se faltasse algo, como se fosse uma metade de você.



                                    Essa ferida, meu bem, às vezes não sara nunca. Às vezes sara amanhã.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Aquela história sem fim


Era 04 de Janeiro de 1984, um dia comum para algumas pessoas...

Mas isso iria mudar para duas pessoas.

Liesel tinha saído com seus colegas – inclusive, eu estava também com ela; para ir numa pequena praça de um bairro desconhecido por ela. Por lá mesmo ela encontrou alguns colegas dos seus colegas e eles ficaram perambulando por ali.
Liesel usava um all star branco, lembro-me até hoje. Vivia a observa-la, era algo extremamente  incrível. Sua maneira de se vestir era tão simples, nada muito extravagante, tão simples que se tornava algo belo, perfeitamente incrível. Ou pelo menos eu achava.
Liesel era minha melhor amiga, vivíamos a mais de quatro anos juntas... Fazíamos tudo juntas, desde ir para escola, até às vezes dividir o mesmo amor. 
                     
                           Um breve resumo sobre Líesel: Liesel tinha uma estatura mediana, era um pouco magra, tinha longos cabelos negros. Era pálida, branca como o leite e se via suas veias verdes, algumas azuladas claramente.

Voltando aquele dia da praça... Ela conheceu todas as pessoas que se encontravam lá, Liesel sempre foi bem comunicativa, às vezes até era meio fechada... Nunca a entendi muito bem.  Beberam algumas bebidas alcoólicas e ficaram escutando musicas... Liesel tinha um amor, se chamava Miguel, só que não correspondido, ela era uma boba na mão dele.  Naquele dia ele estava lá, mas estava junto à moça com quem dividia seus carinhos. Sabe, eu sentia e via como Liesel se sentia diante desses acontecimentos, já até fui espectador de algumas lágrimas escondidas. Na mesma roda tinha um moço, chamado Bernardo com quem Liesel cativou um carinho bem grande a partir daquele dia.

                           Um breve resumo sobre Bernardo: Com um corpo muito bonito, nem tão magro e nem tão gordo. Tinha cabelos castanhos e olhos castanhos, um olhar dominante e cativante. – que fique entre nós, mas acho que foi o olhar dele que Liesel ficou cativada.
A partir desse dia, Liesel e Bernardo começaram a se encontrar nas vezes que saíam e algo chamava a atenção de um ao outro e vice-versa.  Era algo facilmente perceptível.
Em meados de Fevereiro daquele mesmo ano, resolveram sair juntos. Para a mesma praça, só que dessa vez sem todos aqueles colegas e sem o rapaz que fazia Liesel se sentir mal. Conversaram tanto, de tudo um pouco... Foram descobrindo coisas maravilhosas um do outro. E ali começou a crescer um sentimento forte. Logo eles trocaram caricias delicadas e cada palavra que ele dizia era uma vibração no coração de Liesel.
 Liesel chegou a me dizer que a voz dele era como notas musicais espetacularmente perfeitas, gostosa de ouvir. Algo tão simples que fazia Liesel ficar cada vez mais sentida com tudo aquilo.
Passaram-se meses, eles nunca tiveram nada sério, do que fossem um do outro. Mas ela sentia-se como fosse, pois naquela altura, o amor dela era completamente dele. Ela apenas pensava nele, não sentia vontade de ter outras pessoas por perto. Queria apenas ele.  Agora já ele... Queria ter todas, queria que suas vontades reprimidas acontecessem e não ligava para nada, nem a quem machucava. Entre essas e outras, Liesel era quem se machucava.
Aguentei tantas noites ela sobre meu peito chorando, como se o mundo fosse acabar... Parecia que nada e ninguém iriam conseguir tirar aquele azedume do peito dela. Mas eu sempre fazia esquecer, com algumas brincadeiras bobas, com caretas e abraços apertados... Havia noites em que ela dormia em meu peito depois de tanto chorar.
Eles eram extremamente iguais. Liesel era de capricórnio e Bernardo de virgem. Encaixavam-se perfeitamente, tinham os mesmos objetivos de vida e se comportavam de maneira muito parecida. Era como se um fosse à alma gêmea do outro. Só tinha uma coisa que deixava os dois serem diferentes...  A vontade que um tinha do outro. Enquanto Liesel estava amando-o, ele apenas gostava de tê-la por perto. E assim por diante. 
Depois de algumas semanas de tanto se machucar, Liesel tomou uma decisão: Não iria mais continuar com ele. Eu não sei da onde ela tirou forças para que isso acontecesse. Mas o fez! Eles terminaram o que não tinham e ficaram sem conversar por semanas. Depois disso - coisa que eu já esperava; eles voltaram a conversar. E logo voltaram a ficar juntos e foi de novo como antes, as mesmas coisas.  E adivinha, terminaram de novo, só que agora pra sempre. Bom, pelo menos foi isso que Liesel me disse... E acho que irá se cumprir, é algo que cansou demais. Mesmo com todo o sentimento que havia dentro dela, ela já não suportava mais aquilo...
Infelizmente é uma história sem fim, sem sentido e sem razão pelo qual tantos acontecimentos.  Mas eu ainda voltarei aqui para terminar essa história. 

domingo, 27 de janeiro de 2013

Texto sem nome.


É surreal essa sua maneira escrota de viver a vida, é ridícula. É até inaceitável. Você é um lixo, será que não percebe?  Até quando será assim? Essa sua vida de merda, essa sua vontade de viver algo que não dá em porra nenhuma. Sabe o que eu sinto agora? Além de dor, nojo, angústia... De amar uma pessoa como você.  Você é a minha maior decepção e vejo que será pra sempre a maior, porque não sei se existe uma pessoa que chega ao seu ponto.
Seria mais bonito ter falado que só queria me comer, que queria apenas isso. Teria sido bem mais admirável ter dito isso.
Agora você não dá valor a um sentimento verdadeiro, foda-se  você e sua ignorância.
Se soubesse o nojo que estou sentindo de você, o arrependimento de ter deixado você me tocar daquela forma, de ter dito tudo o que sinto e mais, de um dia ter chegado para alguém e ter falado com a boca cheia: eu amo ela.  Arrependo-me de ter corrido tanto atrás de você, de ter de dedicado horas pra você. Foi bom? Foi! Não estou cuspindo no prato que comi, jamais. Porque querendo ou não, os momentos que passei ao seu lado, que vivi contigo foram ótimos. E sabe, vou acrescentar muito na minha vida sobre você. Principalmente as piores partes e irei fazer questão de sempre me lembrar do quanto hipócrita você é, o quão não é digna nem dessas palavras de raiva que estou escrevendo nesse momento.  Então, por um breve momento de sanidade descobri o que estava me matando, e esse alguém é você.  Vontade de te falar tudo o que se passa na minha mente agora, como me sinto, o quanto você me magoa e me faz chorar todos os dias, vontade de jogar na sua cara tudo o que fez pra mim.
Engraçado é que mudei por você, você pode achar que não... Mas fiz uma reforma em mim, no meu ser. Quisera eu ter ficado como antes. Se for pra contar nos dedos tudo o que eu fiz... Ah cara, eu to sofrendo. Tá doendo como nunca doeu antes, tá me sufocando.
Agora entendo quando a menina disse: ‘Você gosta de tomar veneno?’ Você é o veneno!  E apesar de tudo isso, eu ainda, bem lá no fundo eu acredito em você, acredito que irá mudar, acredito que você não é assim... Por mais que pense que é. Não consigo imaginar que fui amar uma pessoa como você.  E se você for esse monstro que se mostra ser, por favor, me esquece. Afasta-se de mim, porque eu sei que não mereço passar por isso...  Sei que você tem medo de me machucar, só que parece que quanto mais medo você tem, mais você me machuca. E se for pra continuar assim... Por favor, te peço. MORRE! Magoada, triste, despedaçada por dentro… Só eu sei como eu estou depois de tudo isso...
Sua burra! Você acha mesmo que preferia ficar com mais pessoas a ter que escolher você? Claro que não. Fiquei sim com outras pessoas, mas não consegui continuar ficando porque meu amor por você era maior do que uma simples noite, um simples beijo.  Tenho tanta coisa pra falar, só que preciso dormir, pra ver se ameniza algo aqui dentro.

Queria poder rasgar meu coração, para não amar nunca mais.

Aprendi: Ha uma grande diferença entre amar e ser otária.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Bom dia.


Eu não sabia que eu era tão importante assim pra você, não sabia o tamanho do meu valor. Não sabia que eu para você é mais que algo, era mais que umas oportunidades de uma vida melhor, ou algo do tipo. Não sabia que seu amor era tão grande e que você seria capaz de fazer isso por mim. Eu fico sem palavras para você menina! Você que esteve sempre ao meu lado, em todos os momentos... Bons e ruins.  Todas as palavras, todas nossas conversas me fez ver que realmente era você quem eu quero ao meu lado.  E quem eu lutaria até o final.  Por você existir, por ver meu mundo se encher de luz, fica comigo enquanto puder, pra sempre.  Adoro o simples fato que tocar minha alma, de me fazer sentir segura e protegida a todo o tempo. Veio, e ficou, ficou de uma forma que não consigo explicar, de uma forma que eu nunca irei querer explicar. Lembra quando a gente dizia que nunca iríamos nos separar? Então, nós nunca vamos.  Você é tão bonita, por dentro sabe... Pra quem te conhece realmente, pra quem sabe quem você é e sabe seus ideais.
“E agora é só você, que me faz cantar... Havia mil motivos pra eu não estar naquele, mas o nosso destino, foi escrito, sobre o som de uma banda qualquer...”

Um corpo sem alma.






E você já deveria saber menino! Já deveria saber... Se envolver com pessoas mais confusas que você, é cair num poço sem fundo, é ver apenas um caminho que te levará sempre para o lado negro da sala, para a frieza daquela cama descoberta, para a descoberta do que seria um “você” pior que você mesmo. 
Se um já não é bom, imagina dois?
O mundo estaria totalmente perdido.
Perdido se existisse mais pessoas como você, mais pessoas que são fracas, alias, que são fortes, mas não conseguem juntar todas aquelas forças do seu interior para fora e parar de tentar achar coisa onde não tem.
Mas não!
Você sabe, está na sua frente, na sua cara e você não faz nada, você sabe que pode alcançar, pode pegar ao menos tentar, mas você simplesmente com essa sua mente fraca e seu coração piedoso e fútil não faz nada para que isso mude.
É sempre o mesmo, as mesmas palavras, as mesmas atitudes... Mostre que você é mais do que essa carcaça podre que está por fora.
Vai viver menino!
O que está fazendo?
Hein?
Não é um corpo que te diferencia de algo, nem a cor da pele, nem a diferença de idade, e sim as coisas feitas e seus pensamentos.
É só querer, só querer.
Eu te ajudo, se precisar de algo. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Carta a um Eu.



Sempre tudo se resolve a nada. É sempre a mesma coisa e você nunca muda. Você se deixa entrar na monotonia daquelas mesmas musicas; aquele mesmo estilo de vida, a mesma rotina, as mesmas pessoas. Chega do trabalho e senta naquele seu sofá velho, com cheio de poeira, que já está cheio de rasgos; pega o controle e fica na sua alienação diária com aqueles canais da sua televisão que comprou em uma liquidação. Assiste a brigas na novela, as notícias ruins do jornal da uma da tarde. Quando olha no relógio já são dezoito horas e levanta do sofá, toma um banho que sempre duram vinte minutos, logo após, vai fazer aquela sua janta que até você mal consegue comer. O seu humor está péssimo, deita na sua cama e dorme, mal por sinal. E no outro dia você acorda e vai trabalhar e fica nessa rotina a semana inteira, o mês inteiro até o ano inteiro e não faz nada para mudar. Mas você sabe que sua vida é um lixo, que poderia ser bem melhor, mas não faz nada pra mudar. Você não tem vergonha de você mesmo? Já parou pra pensar que a qualquer momento sua vida pode acabar e você não levará nada de bom dela? Você se torna a cada dia “mais uma pessoa do mundo” ocupando apenas um lugar. Não ocupando “O Lugar”! Mas você sabe claro que sabe todo o potencial que tem, você não estudou sua vida inteira, para trabalhar no que você odeia, para ter aquela vida que merda que você vive. Levanta, vai, levanta desse sofá velho. Vai viver sua vida, porque não toma um banho de uma hora pra ver seus dedos enrugados? Porque não faz AQUELA janta, com tudo o que sabe fazer, aquele frango frito, só que feitas pelas suas mãos é a melhor coisa do mundo. Coloca um filme nessa televisão, um filme que fale de amor, um filme de comédia. Antes de dormir, dê uma passadinha no seu quintal, pegue uma cadeira e se sente lá fora, contemple o céu, contemple as estrelas, a lua. E pense na sua vida e em tudo que pode melhorar, basta você querer. Saia daquele emprego, daquele balcão de mercado, daquele balcão que cheira a peixe e você odeia peixe, eu sei.  Vá dançar menina! Esse não era seu sonho? Ser uma bailarina? E o que tá esperando? Nunca é tarde, nunca. Sabe que ali perto da sua casa, tem um salão e que lá tem aulas de balé. Balé era seu sonho, lembra? Nada te impede mais meu anjo, nada.

Espero respostas, pode ser por carta, sabe o quanto gosto de carta. Espero notícias boas, claro, eu sei que irá me dar notícias boas. 

domingo, 9 de dezembro de 2012

Incógnita.

Eu te espero, te enrolo, te preciso, te sinto, te sou, te necessito, te desejo, te recuso, te empurro, te chamo, te aceito, te sussurro, te escuto, te balanço, te seguro, te entendo, te duvido, te juro, te tenho, te largo, te engano, te descubro, te traio, te flagro, te mereço, te mostro, te vejo, te odeio, te beijo, te toco, te assanho, te peço, te animo, te sorrio, te reparo, te retalho, te quero, te respiro, te reinvento, te transmito, te detalho, te destruo, te lembro, te vivo, te preparo, te mordo, te abraço, te chupo, te lambo, te bolo, te desembolo, te olho, te brigo, te faço, te fraciono, te multiplico, te divido, te reduzo, te esmago, te diminuo, te mereço, e não te esqueço. 

sábado, 10 de novembro de 2012

Deita comigo, te quero aqui.



E isso era tudo o que planejava para nós. Uma cama pequena, uma musica que gostássemos de ouvir e que essa musica nos faria nos amarmos ainda mais. Um tempo chuvoso... Deitadas na sala num colchão no chão, rodeadas de cobertor e travesseiros.  Deixamos a janela aberta, sentíamos aquele ventinho gelado sobre nossos corpos.  Eu ficaria todo tempo acordada te olhando, ouvindo a sua respiração para ter certeza que aquele momento não é apenas uma imaginação. Eu sentia o mundo parar e apenas seus braços em volta de mim e aquele aconchego tão gostoso, que se eu pudesse, ficaria ali por muito tempo. 
Tinha dias, que acordava e via aquela sua mensagem de bom dia, ou até com qualquer palavra, nem que fosse sem assunto. É engraçado, eu sei... Mas meu dia era melhor a partir daí.
Eu ficava ali, paradinha, apenas para não me mexer para que não te acordasse ou deixasse você um pouco incomodada, sei que ficaria “brava” comigo por isso, mas era uma forma, uma forma minha de cuidar de você, mesmo que seja por um ato tão pequeno. Sei qual seria a sua carinha que exatamente faria naquele momento, sabe, é era tão gratificante ver que se importava comigo e que fazia qualquer coisa para que eu ficasse bem.  E dali deitadas, olharíamos a chuva, e sem querer ficávamos olhando-a por um bom tempo, num silencio total, apenas ouvindo o barulho que ela fazia quando batia no teto. 

                Enquanto estávamos deitadas quietinhas, meus pensamentos eram:

{...} em pensar que sei seu gosto de musica e que daria tudo para que soubesse o meu, mesmo sabendo – a gente pensa que tudo é ao contrário – e esse seu abraço, como consegue fazê-lo ficar tão bom?  Ou é coisa da minha cabeça, não sei ao certo, mas como dizem... Se isso é errado, não quero estar certa! Oh, será que ainda se lembra do nosso primeiro beijo? Foi bem engraçado né? E depois de lá... Nossa! Já faz um ano. Que bonito, mesmo com todas nossas controversas, estamos aqui, deitadas, uma junto da outra. {...}

Ei minha pequena, se cuida tá? Por mim, por favor. E viu, apareça mais vezes. Se quiser voltar, volte, mas não deixe de vir.  Tudo estará do mesmo jeitinho que deixou, até a bagunça dentro de mim.
                                             "Diz pra mim que ainda pensa em nós?"

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Chacina da Candelária



Hoje depois de muito tempo, mesmo assim, temos que rever tudo. Estava assistindo um documentário, na aula de Sociologia que o professor Rafael passou para as salas, que se trata sobre o Sequestro do ônibus 174 que ocorreu no dia 12 de junho de 2000 no Rio de Janeiro. O assaltante e sequestrador era Sandro Rosa do Nascimento nasceu no Rio de Janeiro em 7 de julho de 1978. Antes de seu nascimento, seu pai biológico abandonou sua mãe assim que descobriu que ela estava grávida. Aos seis anos de idade, Sandro presenciou o assassinato de sua mãe na favela onde moravam. Foi então que ele virou menino de rua e adotou o apelido de "Mancha". Ele acabou se viciando em drogas, roubando para manter seu vício em cocaína. Sandro nunca aprendeu a ler ou escrever, apesar de ter sido mandado para inúmeras instituições de atendimento a jovens delinquentes (a onde eram maltratados). Sandro frequentava a igreja da Candelária, onde recebia comida e abrigo. Ali, fez amizade com vários outros menores de rua. No dia 23 de julho de 1993, Sandro presenciou o massacre da Candelária e foi um dos feridos.
A chacina da Candelária, como ficou registrada pela mídia, ocorreu na madrugada do dia 23 de julho de 1993, próximo às dependências da Igreja de mesmo nome localizada no centro da cidade do Rio de Janeiro. Nesta chacina, seis menores e dois maiores sem-tetos foram assassinados por policiais militares.
Na madrugada do dia 23 de julho de 1993, aproximadamente à meia-noite, vários carros pararam em frente à Igreja da Candelária. Logo após, os policiais abriram fogo contra mais de setenta crianças e adolescentes que estavam dormindo nas proximidades da Igreja. Como resultado da chacina, seis menores e dois maiores morreram e várias crianças e adolescentes ficaram feridos.
Agora aonde entra a minha revolta: O que crianças de rua têm como culpa merecer isso? Essas crianças não tem uma base familiar ou tem mais vive nas mesmas condições que eles, eles não tem o que fazer, nem pra onde recorrer (ou até tem, mas nem sempre é pra todos) a única saída que eles veem é roubar, usar drogas e viver nas ruas... Eles até tentam conseguir dinheiro, para viver, mas mesmo assim é pouco demais e é usado para consumir drogas. Essas crianças não têm culpa de estar lá, não tinha para que ocorrer aquela chacina. Daí vem que essas crianças, traumatizadas com tudo isso, crescem e fazem o mesmo que o Sandro, conhecido como “Mancha” faz. Agora, parem e reflitam sobre isso: Não tem pra que maltratar uma criança de rua. Se não quer dar dinheiro, para que ela não gaste em drogas ou outra coisa do tipo, dê um pão, um prato de comida. Porque de uma forma ou outra, você estará ajudando uma criança que precisa de cuidado... Assim como seu filho precisa de você, ou seu irmão/irmã, qualquer parente. Não esqueça, que ao contrário deles, você tem uma cama, tem comida, tem um pai ou uma mãe disposto a te ajudar a estar ali, sempre que você precisar. Eles não... Eles dormem num chão frio, em noites frias, não tem a quem correr, não tem ajuda, não tem extremamente nada! Muitas vezes passam dias sem comer, ou comem comidas do lixo. Pare e reflita sobre tudo isso. 
Sinceramente, sinto vontade de adotar todos eles, mesmo não podendo. Porque eu sei, que eles só vivem assim por serem incapazes de conseguir algo na vida. Fico com as minhas palavras por aqui... Pois depois de tudo isso, ainda me falta palavras pra expressar minha angústia ou algo do tipo. Precisava desabafar.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Acalanto.



Meu coração dói, vontade de chorar, to confusa, to sensível, to dodói de coração e to fresca, mimada, cheia de mimimi e blá blá e odeio ficar assim! To com raiva. Desabei! Sim hoje foi ao fim, não consegui mais segurar. Eu só quero ser feliz, sabe? Acho que nunca pensei tanto na vida quanto nesses últimos dias. E na verdade eu só preciso realmente de um abraço. Não quero ir embora dessa cidade, não quero deixar meus amigos e nem minha família, só que não aguento mais ficar aqui só que sei que vai ser sempre a mesma coisa... Sofrer pelas mesmas pessoas, saudades das mesmas pessoas, decepções com as mesmas pessoas. Ano do caramba, porque justo esse ano tinha que ser tão horrível assim? Tá doendo! E além de tudo isso, tem mais uma coisa: eu to amando eu amo, cê tem noção da gravidade disso? Da gravidade de amar alguém que não te ama? Dê amar alguém que quer apenas viver á vida e não liga para algo mais concreto? Isso acaba comigo, acaba com qualquer um; quero um amor, só isso... Quero alguém que me ame, quero alguém que esteja do meu lado, só quero ser feliz. Não era pra ser tão complicado assim, não era! Jurei que ia ser diferente, que eu estava mais forte, mais fria, mais madura, não consigo mais, não da mais. Quero uma melação, quero atenção, quero mimos,quero abraço. Quero aconchego, quero dormir de conchinha, quero acordar com beijos, brincadeiras, olhares silenciosos, riso sem jeito. Abraço de urso e todas essas coisas bobocas que todo mundo sonha em ter. É só uma pena saber que não terá isso, não terá porque nada disso é recíproco. Não quero atingir ou algo do tipo, só quero dizer que o que eu mais temia aconteceu, não foi porque eu quis, na verdade eu não quis. Mas quem disse que alguém manda no coração? Minha felicidade é te ver feliz, mesmo que eu me machuque, de qualquer maneira (é idiota, eu sei, sou eu)... Sem mais delongas, eu quero sossego, quero calma na alma. 

 "Põe a mão na minha mão, pode fechar meus olhos, alisa os meus cabelos"

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Desejos incontroláveis.




E não adianta esconder, não há como negar...

O desejo que sentimos um pelo outro é forte demais, a sede do corpo alheio, a vontade de sentir-se perdido no abraço da outro... É tudo o que precisamos para nos sentir completos naquele momento.
O meu corpo no seu e seu corpo no meu, o suor, do cheiro, da respiração quente e ofegante, das horas que passamos juntas, das vezes que fiquei morta depois de tanto prazer, sentir as pernas bambas, das vezes que o tempo que tínhamos era pequeno demais para tanto desejo acumulado dentro de nós. A noite era pequena, qualquer momento que poderíamos estar juntos era pequeno. 

Aquele desejo de morder aqueles lábios grossos e vermelhos, sentir o gosto da sua boca macia, desejei naquele momento sentir o gosto perfeito do meu corpo ardendo de tão quente, com o seu, que era um pouco gelado, mas que logo, com a junção de nossos corpos você se adequava a temperatura do meu, e sentia como se tornássemos apenas um. Naquele momento só passava pela minha cabeça sentir todo aquele seu intimo, aquele tal que não tinha sentido antes. Foi, sem dúvidas, o melhor gosto que senti.  E que sentirei sempre que possível.
Quero sentir seu corpo sobre o meu, quero ouvir nossa respiração compassada, na mesma frequência. Quero deixar-te saciado de tanto prazer e sei que assim me sentirei saciada também. Sentir meu corpo estremecido e arrepiado por seus leves toques sobre mim.  Quero toda vez sentir vontade de realizar minhas fantasias mais loucas com você. Novos jeitos, novas frases, novos toques. A cada instante... 

domingo, 30 de setembro de 2012

Há tempo.


                                        
                                              E ali mesmo, estávamos sentadas uma do lado da outra...

            Eu dizia que estava tudo bem se você fosse, mas por dentro eu estava implorando que ficasse.

Estava me fazendo de forte, pois já sabia que não havia mais escolhas ou coisas a se fazer em respeito a nós.  “Mas tudo bem”; eu dizia a todo momento para mim mesma, palavras estas que ecoavam e que iam me torturando a cada instante sequer num silêncio absurdo dentro de mim.  E essa dor repentina e inconstante que fica dentro de mim, vou superando, relevando a cada dia, a cada minuto que se passa vou tentando tirar de dentro de mim.  São coisas que eu sempre soube que iria acontecer, mas desde então eu não planejava me apaixonar por você; não sabia que iria se tornar tão especial à ponto de só pensar no seu sorriso, no seu olhar, meus olhos se enchessem de lágrimas e ter que olhar para cima num gesto inusitado para que não escorressem nenhuma gota sequer dos meus olhos, para que minha dor  – pela sua ausência, não transparecesse à ninguém. Eu sinto muito por tudo isso, mas sei mais do que ninguém que quando se trata de sentimento ou coisa parecida ninguém consegue manipular, não consegue simplesmente criar algo. Só espero que seja feliz, que um dia ainda, possamos nos ver sem algum rancor (da minha parte), sem problemas, sem frio na barriga. 

Vem pra mais perto...




          Porque eu sei, você sabe... Afinal, todos sabem que essa “casca” que criamos em torno de nós é apenas uma proteção.

E por mais fechada que parece ser, sei que sentirei sua falta, sentirei falta de seus abraços, do seu cheiro, da sua companhia, de você completamente perto de mim. E isso aqui já esta começando a doer, sabe? Tento evitar, mas é uma coisa impossível para mim, não sentir.  É uma coisa que mesmo eu não querendo eu sinto.
        Quero aproveitar todo segundo que ainda temos, mas meu medo de te incomodar ou algo do tipo, não deixa. Tenho vontade de te ligar só para ouvir sua voz, vontade de mandar uma mensagem que te faça abrir um sorriso, esse sorriso tão lindo que sou apaixonada por ele. Olhar nos seus olhos e dizer o quanto gosto de ter você comigo. O quanto gosto de deitar no seu ombro e poder ali, fechar os olhos, nem que seja por segundos e saber o quanto é bom tudo aquilo, o quanto é bom sentir seu cheio aconchegante.
Mas infelizmente, abro os olhos e vejo que é tudo passageiro, que um dia iremos nos separar e só deus sabe quando iremos nos ver. Sei que isso tudo pode parecer muito exagerado, mas é meu jeito de ver a coisas é meu medo de perder pessoas próximas, pessoas como você, que eu sei que fará falta. Eu sei que não irei te perder completamente, sei sim, mas não sei explicar o porquê de sentir tudo isso.
Há quanto tempo eu não derramava uma lágrima para qualquer pessoa, lágrimas de sentimentos, como essas que escorrem de meus olhos agora.  É algo bem difícil para uma pessoa como eu, não sei como é para você. Tenho duvidas... Medo, curiosidades, não saber o que sente ou o que deixa de sentir, e isso me corroí por dentro de tal forma que é impossível dizer ou escrever. 

“Deixa eu mimar você, adorar você, agora, só agora... Por que um dia eu sei, vou ter que deixá-lo ir.”

E com essas poucas palavras posso dizer que eu sou apaixonada por você. Pode ser ilusão, amor, qualquer coisa... Sei lá! É algo, algo forte. Que já não cabia mais em meu peito.

sábado, 11 de agosto de 2012

Casinha de Inverno



E naquele dia frio, procurávamos um lugar aconchegante, como nos filmes... Uma casinha de madeira com uma lareira que nos aquecia, além de nossos corpos já estarem quentes, pela nossa proximidade, nosso calor humano. Brincadeiras e sorrisos bobos ao nos pegar olhando um no olho do outro. Carinhos e mimos. Aonde imaginava um mundo perfeito, com apenas eu e você ali. Não algo a mais, mas sim algo que completasse, tanto eu como você. Na casinha aonde assistiríamos filme enrolados numa coberta pequena, encolhidos, bem próximos. Deitada no seu ombro sorria sozinha por ver aquela imagem de nós juntos, ali parados, aonde dava apenas para ouvir a respiração dos dois, momentos pequenos, mas que todos os detalhes ficavam guardados na minha mente, que hoje ficaria como uma bela lembrança de como fomos. Brincávamos de pega-pega, correndo pela casa um atrás do outro e quando um pegava o outro, sentia aquele frio na barriga, a respiração ficava ofegante em apenas saber que estaria a milímetros de você, que poderia ficar observando-a a todo tempo, que se ela sorrisse você sorriria também. Sentia-se preso quando ia dizer algo, e mesmo quando conseguiu soltar poucas palavras, as palavras ficaram embargadas e tremidas e logo vinha à vergonha, mas ele sabia como tirar toda essa vergonha, aquele jeito dele, que só ele sabe me fazer sentir melhor... Aquele abraço... Ah! O abraço, aquele abraço me faz perder desse mundo e me sentir protegida e sentido como se nada de mal pudesse me fazer, mesmo sabendo que o único mal que existia ali era você, o erro que eu insisto em errar, porque você o único erro que me faz bem. Queria poder lhe dizer tudo isso e muito mais, só que não vejo vantagens a ambos sobre isso ou apenas não quero enxergar. O tempo dirá o que será melhor de nós.