quinta-feira, 12 de abril de 2012

Pequena tortura



Me afogando em meio as profundezas do mar, aonde só existe escuridão e silêncio, as duas piores coisas para o esquecimento de uma pessoa sozinha.
 Lá no fundo, bem no fundo, você vê a luz lá em cima. 
E nada, nada e nada, mas não consegue sair do lugar. 
Como se uma ancora estivesse lhe segurando lá em baixo, para que morresse afogada.  
O desespero toma conta de você e você não sabe o que fazer.  
Assim que avista uma pedra, uma pedra ponte aguda próxima de você logo pensa no pior. 
Sua cabeça, cheia de pensamentos, cheia do mundo, cheia de medo, cheia tudo! 
A única coisa que consegue pensar é em estancar aquele medo e dor.  Quando se vê, esta batendo com a pedra no peito, tão forte, mas tão forte que não percebe os buracos que está fazendo em seu peito. 
Quando se vê em si, olha para o nada e vê uma cor vermelha dentre as águas, e percebe que toda aquela água da cor diferente das outras é teu sangue. 
O sangue que sai de seu peito.
 E tem medo de que seja seu fim, mesmo você sabendo e provocando aquilo. 
Me desespero e começo a nadar novamente, só que agora vejo que estou saindo do lugar... 
Coloco minha cabeça para fora da água e dou meu último suspiro. 
Só que já era tarde demais... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário