sábado, 10 de novembro de 2012

Deita comigo, te quero aqui.



E isso era tudo o que planejava para nós. Uma cama pequena, uma musica que gostássemos de ouvir e que essa musica nos faria nos amarmos ainda mais. Um tempo chuvoso... Deitadas na sala num colchão no chão, rodeadas de cobertor e travesseiros.  Deixamos a janela aberta, sentíamos aquele ventinho gelado sobre nossos corpos.  Eu ficaria todo tempo acordada te olhando, ouvindo a sua respiração para ter certeza que aquele momento não é apenas uma imaginação. Eu sentia o mundo parar e apenas seus braços em volta de mim e aquele aconchego tão gostoso, que se eu pudesse, ficaria ali por muito tempo. 
Tinha dias, que acordava e via aquela sua mensagem de bom dia, ou até com qualquer palavra, nem que fosse sem assunto. É engraçado, eu sei... Mas meu dia era melhor a partir daí.
Eu ficava ali, paradinha, apenas para não me mexer para que não te acordasse ou deixasse você um pouco incomodada, sei que ficaria “brava” comigo por isso, mas era uma forma, uma forma minha de cuidar de você, mesmo que seja por um ato tão pequeno. Sei qual seria a sua carinha que exatamente faria naquele momento, sabe, é era tão gratificante ver que se importava comigo e que fazia qualquer coisa para que eu ficasse bem.  E dali deitadas, olharíamos a chuva, e sem querer ficávamos olhando-a por um bom tempo, num silencio total, apenas ouvindo o barulho que ela fazia quando batia no teto. 

                Enquanto estávamos deitadas quietinhas, meus pensamentos eram:

{...} em pensar que sei seu gosto de musica e que daria tudo para que soubesse o meu, mesmo sabendo – a gente pensa que tudo é ao contrário – e esse seu abraço, como consegue fazê-lo ficar tão bom?  Ou é coisa da minha cabeça, não sei ao certo, mas como dizem... Se isso é errado, não quero estar certa! Oh, será que ainda se lembra do nosso primeiro beijo? Foi bem engraçado né? E depois de lá... Nossa! Já faz um ano. Que bonito, mesmo com todas nossas controversas, estamos aqui, deitadas, uma junto da outra. {...}

Ei minha pequena, se cuida tá? Por mim, por favor. E viu, apareça mais vezes. Se quiser voltar, volte, mas não deixe de vir.  Tudo estará do mesmo jeitinho que deixou, até a bagunça dentro de mim.
                                             "Diz pra mim que ainda pensa em nós?"

Nenhum comentário:

Postar um comentário