segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Carta a um Eu.



Sempre tudo se resolve a nada. É sempre a mesma coisa e você nunca muda. Você se deixa entrar na monotonia daquelas mesmas musicas; aquele mesmo estilo de vida, a mesma rotina, as mesmas pessoas. Chega do trabalho e senta naquele seu sofá velho, com cheio de poeira, que já está cheio de rasgos; pega o controle e fica na sua alienação diária com aqueles canais da sua televisão que comprou em uma liquidação. Assiste a brigas na novela, as notícias ruins do jornal da uma da tarde. Quando olha no relógio já são dezoito horas e levanta do sofá, toma um banho que sempre duram vinte minutos, logo após, vai fazer aquela sua janta que até você mal consegue comer. O seu humor está péssimo, deita na sua cama e dorme, mal por sinal. E no outro dia você acorda e vai trabalhar e fica nessa rotina a semana inteira, o mês inteiro até o ano inteiro e não faz nada para mudar. Mas você sabe que sua vida é um lixo, que poderia ser bem melhor, mas não faz nada pra mudar. Você não tem vergonha de você mesmo? Já parou pra pensar que a qualquer momento sua vida pode acabar e você não levará nada de bom dela? Você se torna a cada dia “mais uma pessoa do mundo” ocupando apenas um lugar. Não ocupando “O Lugar”! Mas você sabe claro que sabe todo o potencial que tem, você não estudou sua vida inteira, para trabalhar no que você odeia, para ter aquela vida que merda que você vive. Levanta, vai, levanta desse sofá velho. Vai viver sua vida, porque não toma um banho de uma hora pra ver seus dedos enrugados? Porque não faz AQUELA janta, com tudo o que sabe fazer, aquele frango frito, só que feitas pelas suas mãos é a melhor coisa do mundo. Coloca um filme nessa televisão, um filme que fale de amor, um filme de comédia. Antes de dormir, dê uma passadinha no seu quintal, pegue uma cadeira e se sente lá fora, contemple o céu, contemple as estrelas, a lua. E pense na sua vida e em tudo que pode melhorar, basta você querer. Saia daquele emprego, daquele balcão de mercado, daquele balcão que cheira a peixe e você odeia peixe, eu sei.  Vá dançar menina! Esse não era seu sonho? Ser uma bailarina? E o que tá esperando? Nunca é tarde, nunca. Sabe que ali perto da sua casa, tem um salão e que lá tem aulas de balé. Balé era seu sonho, lembra? Nada te impede mais meu anjo, nada.

Espero respostas, pode ser por carta, sabe o quanto gosto de carta. Espero notícias boas, claro, eu sei que irá me dar notícias boas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário