quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Só sei dançar com você


Lembro-me como se fosse hoje... 
Depois daquela noite cheia de gente, caminhamos para aquele lugar só nosso... Com a sandália na mão, já cansada de andar, tinha meu braço por volta da sua cintura e seu braço por cima de meu ombro, e íamos rumo ao nosso recanto, cambaleando, cambaleávamos de tanto rir e das nossas brincadeiras, brincadeiras que eram apenas nossas. E quem diria, eu só sei dançar com você.
 Alguns momentos você corria na minha frente e me esperava lá longe, nesse momento meus pensamentos todos cheios de nós iam se desfazendo e eu ia vendo tudo o que eu queria; tudo o que eu queria bem na minha frente.

A luz da lua era a nossa única claridade para aquela noite e tudo ficava bem mais lindo com aquela brilhosa e requentada iluminação.  

Logo tínhamos chegado ao nosso ponto, ao nosso lugar tão esperado por toda aquela noite, que ia morrendo mais rápido quando estava contigo. O dia insistia em nascer bem mais rápido.  Aquele lugar gramado, perto do penhasco de frente para o mar e perto da nossa admiradora secreta, a nossa lua.  
Esticávamos um lençol no chão e deitávamos ali mesmo, enroladinhos em um só, para que pudéssemos nos sentir mais próximos um do outro.  E quem diria meu menino, eu só sei dançar com você.

Na na na na na na, cantávamos los hermanos embalando nosso fim de noite, passávamos as outras poucas horas que tínhamos conversando e cada passo que eu dava naquela nossa dança  eu sentia minha perna tremer de agonia, mas eu nunca sei rodar, não sei dois pra lá, nem dois pra cá, não sei valsar...  No embalo dos nossos sussurros  desgovernados, desafinados e mal elaborados íamos enchendo nosso peito de felicidade e carinho. E quem diria, eu só sei dançar com você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário